Está na hora de limpar a sujeira debaixo do tapete.

Sabe aquela hora que você percebe que tem coisa demais mal resolvida na sua vida, que tem muitos planos deixados para trás, que existem muitas mágoas e algumas decepções que ficaram te incomodando – e ainda insistem em aparecer de vez em quando? Essa é a hora de limpar essa sujeira toda que você insiste em acumular debaixo do seu tapete.

A gente tem mesmo essa mania de ir juntando todas as coisas que deixamos para encarar depois guardadas em um lugar que fique o mais escondido de nós mesmos. Mas a sujeira aparece, o monte acumulado começa a ser perceptível e fica impossível esconder (de nós mesmos) aquilo que não tivemos coragem de resolver, ou deixamos simplesmente como estava por não saber mais como agir. Nada contra deixar algumas coisas para trás, até porque, nem sempre as coisas são facilmente resolvidas mesmo. Mas sejamos sinceros: aquilo tudo que você ainda não conseguiu se livrar, alguma hora vai reaparecer.

Não é fácil e nunca será totalmente fácil remexer em coisas que você tentou por tantas vezes esquecer. Mas a gente precisa se livrar daquilo que não nos leva adiante, que se transformou apenas em sujeira para atrapalhar o que temos aqui dentro, que virou entulho que nos serve quase que diariamente como desculpas esfarrapadas para justificar a nossa insegurança, o nosso medo de encarar coisas novas, novos sentimentos, abrir espaço no meio de toda essa sujeira para novas pessoas enxergarem um lado nosso que há muito tempo não aparece.

Chegou a hora de parar de postergar em colocar fim às histórias que já se foram, que não se renovaram, que só te servem hoje como escudo contra qualquer coisa que te seja desconhecida. Está na hora de tirar a poeira debaixo do tapete, de se livrar dos entulhos acumulados pelos anos e encarar de vez o que ficou para trás e não foi resolvido.

Chegou a hora de te deixar ver que há muito espaço na sua vida que pode ser utilizado para o que te faz bem, para o que te faz sentido hoje, que te traga novos sorrisos, novos ares, novas verdades.

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Quando você precisa se permitir voar.

Vai. Voa! Mas voa alto, vê o mundo todo daí de cima e descubra todos os detalhes de como é bom viver a vida! Mas me conta depois, porque minha vontade de voar e enxergar as coisas miudinhas lá no chão, sentir a grandiosidade das oportunidade que a vida nos dá, aumenta a cada dia mais, e a sede que tenho das novas descobertas, de me dar oportunidades, acompanha todo esse desejo avassalador. 

Não sei quem foi que nos disse que estávamos fadados a viver com os pés no chão. Nunca fui dessas pessoas que querem viver uma vida totalmente e previamente já designada. Quero o prazer de sentir novos gostos, de ver novos lugares, de conhecer novas pessoas, novas culturas, novos mundos. 

Chega uma hora que a gente percebe que, mesmo sem querer, deixamos trancafiar nossos pés em bolas de ferro que não nos deixam fazer e realizar nem metade das nossas vontades. E enxergar isso é ainda mais difícil, porque, ver a situação a que chegamos significa admitir que nos permitimos ser limitados, que nos deixamos perder aquelas vontades, aqueles sonhos. Tenho um pouco de compaixão, para não dizer, pena, de quem não se permite sonhar, de quem tem vergonha de parecer sonhador demais para sua idade. Mas quem disse que sonhar tem idade? Quem disse que nossos desejos tem prazo de validade?

É preciso nos permitir a felicidade para que sejamos mais leves, que a gente se encontre no nosso próprio mundo, que viva cada dia o máximo possível, que cultive lembranças eternas que valham à pena, que nos transformem em algo melhor, sempre! E para viver, também é preciso voar, é preciso sair do sério às vezes, visualizar o mundo de forma mais ampla, de perceber que tudo o que queremos é possível, tateável, e é só conseguir e se permitir enxergar para perceber que o mundo está nas nossas mãos. 

Imagem